Mostrar mensagens com a etiqueta Vale a pena pensar nisto. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Vale a pena pensar nisto. Mostrar todas as mensagens

quinta-feira, 21 de junho de 2018

As pessoas são o que elas são.

Não podes torná-las melhores, nem podes torná-las piores. Não podes fazer nada por elas que elas não escolham primeiro. Podes é ajudá-las a escolher. Isso sim. E como ajudá-las a escolher? Escolhendo tu primeiro.Fazendo tu a tua escolha. Escolhendo a luz, mudando a tua frequência vibratória.
    Porque quando elas virem que tu mudaste, irão finalmente acreditar que é possível mudarE quando perceberem que é possível mudar, vão olhar para si próprias. E vão tentar mudar. E essa tentativa já é uma mudança, já é uma tremenda mudança. O facto de elas acreditarem que mudar é possível. 
  Percebes porque é tão importante mudares primeiro? E poderias dizer: «Mas mudar-me a mim próprio é mais difícil.» Claro que é. Por isso é que é tão importante. Se queres que uma pessoa faça uma determinada coisa, faz tu primeiroSe queres que uma pessoa aja de determinada maneira, age tu primeiro. Podem até elas não fazer o que tu querias, mas a tua mudança já começou. E isso é que é verdadeiramente importante.

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Os blogs estão a morrer?


Será que hoje em dia , quando a tendência é consumir informação à velocidade da luz , na era do Instagram  e do Youtube ainda faz sentido manter um blog?
Começo a achar que não. Ultimamente tenho notado uma falta de interesse, parece que as pessoas preferem ver vídeos no Youtube ou estar no Instagram do que dedicar uns minutos a ler um post no blog. Ultimamente eu própria acabo por pôr mais imagens e textos curtos porque parece que quem lê o blog prefere este tipo de publicação de consumo rápido do que posts mais longos. Ou será que estou errada?
Um exemplo recente foi a publicação da rubrica Blogger Of The Week que acabou por ficar bastante aquém das expectativas. Não nego que é bastante desmotivador dedicar o nosso tempo a preparar um post para o blog e depois não ver o nosso trabalho reconhecido. Isto tem me feito pensar , será que a era dos blogs está a chegar ao fim? Ou será apenas uma fase?
Dito isto , e antes de começarem a pensar que o blog vai acabar , a resposta é não, pelo menos por enquanto. 

domingo, 26 de novembro de 2017

Vale a pena pensar nisto...

Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro.

Clarice Lispector

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Estas palavras podiam ser minhas : 11/09/2001


Tudo o que está ligado ao 11 de Setembro é impressionante. E, a cada ano, por esta altura, lá fico eu vidrada no ecrã. E é sempre aquele sentimento de horror e de incredulidade. Toda a gente sabe onde estava e o que estava a fazer no 11 de Setembro, é absolutamente incontornável, marcou-nos para sempre. (...) Eu estava em casa (...) Fiquei especada a olhar para aquilo e, como quase toda a gente, assisti em directo ao embate do segundo avião. E vi as torres desmoronarem-se, assim, em segundos. Parecia um filme de terror, cheio de fumo, fogo e efeitos especiais. Vi pessoas a atirarem-se de cabeça, uma imagem impossível de esquecer. Ao longo destes (...) anos, li e vi muita coisa sobre o atentado. Não sei porquê, mas isto sempre exerceu um estranho fascínio sobre mim. Não tem a ver com morbidez, tem mais a ver com incredulidade. Lembro-me de ir à net ver todos os documentários e mais alguns, e ser sempre aquele murro no estômago. Ter sempre as mesmas perguntas na mente. Como é que isto foi possível? Como é que alguém foi capaz? Como é que o mundo se tornou nisto? (...) Não é um exagero dizer que este dia mudou o mundo. Tornou-nos a todos mais desconfiados, mais cínicos, mais inseguros. O medo instalou-se e duvido que alguma vez venha a desaparecer. É uma merda termos de viver num mundo assim. Como é que é possível? Parece que foi ontem que o mundo mudou para pior.

In : A Pipoca Mais Doce

terça-feira, 25 de abril de 2017

ACABEI DE OUVIR AS 13 FITAS DE HANNAH BAKER E FOI ASSIM QUE ME SENTI


São quase 4 horas da manhã. Há 10 minutos estou deitada no escuro aqui no meu quarto depois de terminar de ouvir as fitas de Hannah Baker em 13 Reason Why. Há 10 minutos estou aqui deitada no escuro sem saber exatamente o que sentir, ou pensar. Há 10 minutos está passando um filme pela minha cabeça sobre tantas vezes me senti exatamente como ela se sentiu.

É tão difícil viver em um vazio. É tão difícil você se esforçar para ter uma vida boa, tranquila, ser feliz e fazer as pessoas felizes e, deitada no seu travesseiro, você sente que tudo é pó. Que tudo se vai muito mais fácil do que chega.

Eu já perdi as contas de quantas vezes me senti assim. Já perdi as contas de quantas vezes já pensei em ter o mesmo destino da Hannah e acabei desistindo porque sempre acabo pensando em outras pessoas, em como não poderia magoar minha família, meu namorado, meus amigos. Em como poderia talvez ainda ter um jeito. Em como eu precisaria dar sorrisos amarelos ainda para meus amigos, dizer que está tudo bem simplesmente porque não consegue explicar o que acontece aí dentro da sua cabeça.

Eu já perdi as contas. E esse gatilho, ou sei lá como queiram chamar, foi puxado nesses últimos 10 minutos. E o que ainda não me conformo é que existem pessoas que ainda insistem em dizer que não se deve falar sobre depressão ou suicídio por poder gerar “coisas” em outras pessoas. Por Deus! Vocês estão loucos? Vocês têm noção de como é uma merda se sentir sozinho? Em como é uma merda passar metade da sua vida sofrendo os mais diversos tipos de bullying e todo mundo achar que é frescura sua, que você precisa seguir em frente? Vocês têm noção de como é tentar ajudar outras pessoas e sempre acabar sendo julgada por coisas que você nunca quis fazer? Vocês sabem como é conviver com uma distorção da sua vida por anos?

Estou há muito mais tempo do que 10 minutos tentando todos os dias criar um significado verdadeiro para ainda estar aqui. Tem dias que dá certo. Tem dias que não. Eu fico feliz por chegar ao dia seguinte e ainda acordar deitada aqui na minha cama porque é sinal que deu certo. Eu fico feliz por saber que não estou sozinha.

Hannah Baker, existem tantas de você por aqui, tantas que se escondem por trás de fotos felizes no Facebook e piadas idiotas para disfarçar a bagagem pesada que carregam dentro de si.  Tantas que tem coisas na vida que sabe que muitas outras pessoas gostariam e se sentem culpada por, às vezes, colocar tamanha confusão à frente de tudo. É difícil demais conviver com tudo isso.

Mas eu ainda estou aqui. E fico feliz de acordar de manhã no meu travesseiro. E venho trabalhando para que isso se repita. Para que as coisas tomem forma, para que haja sentido, para que eu sinta o motivo de olhar pela janela e ver mais um dia chegando e me sentir feliz comigo mesma, sem precisar dever satisfações sobre meus pensamentos ao meu coração.

Carol Sassatelli

quarta-feira, 8 de março de 2017

Vale a pena pensar nisto!


Qualquer mudança na nossa vida começa com o desconforto. Ninguém nunca sentirá a necessidade de mudar uma coisa com o qual não se incomoda, certo? Mas a insatisfação não é o suficiente para que essa transformação aconteça e isso não é nenhuma novidade para nós, detentores de listas de resoluções para o novo ano que nesse momento já foram quase abandonadas (e só estamos em Março).E isso acontece por alguns motivos que vão além da preguiça de agir de acordo com o que você deseja alcançar, o fator número um da procrastinação das dietas e da estagnação da poupança.Um dos principais é o fato de que muitas vezes não enxergamos a real motivação de uma mudança. Por isso, preferimos lidar com todos os infortúnios de não começa-la do que simplesmente reconhecermos que não o fazemos porque nem nós sabemos muito bem o que queremos com ela. Se você quer perder cinco quilos – que seja – precisa entender seu objetivo por trás disso e reconhece-lo como legítimo, por mais fútil que ele pareça ser para você e para os outros.Além disso, é essencial entender que é normal vivermos sempre em três tempos diferentes: passado, presente e futuro. Você nunca será capaz de esquecer o passado, pelo simples fato dele ter te tornado quem você é hoje, mas também não é saudável passar a vida se remoendo ou se culpando por coisas que não são passíveis de mudança. E mesmo que a possibilidade de deixa-lo de lado existisse, eu não aconselharia ninguém a apagar uma história que trouxe muitos aprendizados, pelo simples fato disso abrir a possibilidade dos mesmos erros serem cometidos.

Também não adianta querer viver nos extremos do presente ou do futuro. E apesar de parecer uma frase piegas, pense em quantos caminhos você está deixando de trilhar por medo de onde irá chegar ou se de fato aquele que está seguindo hoje vai te levar aonde você quer chegar amanhã. Viu como a relação entre presente e futuro não pode ser apagada e precisa ser sempre considerada?Voltando aos cinco quilos, se você deseja mesmo se livrar deles, não faz sentido nenhum continuar comendo uma barra de chocolate por dia, se culpando e prometendo a si mesmo que na próxima segunda-feira as coisas serão diferentes. Ou no próximo mês. Ou ano. Porque é justamente tentando se enganar, já que é bem mais fácil acreditar em uma mentira do que modificar seu comportamento, que você passará um bom tempo da vida desejando ser o que não é, enquanto só age para continuar sendo o mesmo.O autoengano é, dos motivos que te impedem de mudar, o mais cruel deles. Já parou para pensar nas mentiras você conta a si mesmo todos os dias, até se convencer de que tem motivos para continuar fazendo o que faz? Fazer isso pode ser tão dolorido, que será difícil continuar acreditando que é melhor viver assim do que abrir mão daquilo que já não move em direção aos seus objetivos, porque até eles podem já não ser mais os mesmos.Boa parte do que você tem hoje é exatamente o que desejou ter um dia, mas você continua sendo a mesma pessoa que quis ter o que tem? E se os resultados dessas suas escolhas não te fazem mais feliz, por que tanto apego a eles?Às vezes é preciso parar e pensar sobre tudo isso. Colocar no papel, bem como as metas de ano novo que se repetem porque já perderam a própria razão de ser.A dor da renúncia e o medo de mudar não podem impedir sua alma de ir até onde ela gostaria de estar. Por tanto, toda vez que começar a cair nessas armadilhas que atrasam sua vida e aquilo que tanto almeja alcançar, pergunte a si mesmo se já começou hoje a ser quem você gostaria de se tornar.

Denise Carvalho

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Ter medo de errar é um erro.

É sempre um erro. E é o único erro que não tem perdão. Sou maravilhado por quem erra. Por quem sabe que, por fazer, por tentar, pode errar. E são as melhores pessoas, convence-te disso, quem mais erra. São as pessoas que vão aos limites (e os ultrapassam sempre que lá chegam), que se testam como se não houvesse amanhã, como se o agora fosse tudo o que há para haver. E é: o agora é tudo o que há para haver.

― Pedro Chagas Freitas

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Faça um grande favor a si mesmo e erre, mas erre muito


Só erra quem faz, quem age, quem ousa vencer seus medos, quem acredita nas próprias verdades, sendo capaz de assumir seus actos e não se acovardando diante do inesperado.
Portanto, faça um grande favor a si mesmo e erre, mas erre muito. Só erra quem faz, quem age, quem ousa vencer seus medos, quem acredita nas próprias verdades, sendo capaz de assumir seus actos e não se acovardando diante do inesperado. Erra quem se lança à vida com honestidade, quem é capaz de enxergar a si mesmo e perceber a extensão de suas atitudes nas vidas alheias, quem é seguro de si ou procura sê-lo, acima de tudo. Errar com honestidade é abrir-se ao desconhecido, querendo de volta o que a vida tem de bom, é não temer os olhares alheios, buscando se aprimorar a cada dia, desejando o melhor para si e para o próximo. Permita-se errar, permita-se viver.
Marcel Camargo

quarta-feira, 20 de julho de 2016

TEM MUITO VILÃO SE FAZENDO DE VÍTIMA POR AÍ


Mais cedo ou mais tarde, os "coitadinhos" estarão envoltos em algum tipo de polémica, cujo cerne é tão somente a maldade gratuita. Então, quando o circo está armado, tentam assistir ao espectáculo que montaram, como se fossem as vítimas da história.
Felizmente, mesmo que demore, as máscaras caem e a verdade vem à tona. Ainda que estejamos lesados emocionalmente, cabe-nos fugir o quanto antes da companhia dessas pessoas, permanecendo junto ao equilíbrio confortador de quem tem amor verdadeiro. As vítimas de si mesmas acabarão não sendo queridas por ninguém, sendo a nossa vida verdadeira e rodeada de gente feliz o pior castigo que elas terão - e merecidamente.

Marcel Camargo

sábado, 28 de maio de 2016

Vale a pena pensar nisto : O ACTUAL ESTADO DA BLOGOSFERA.


"Já conhecem a nova linha de produtos da O Boticário?"

"Com a chuva dos últimos dias, apetece mesmo comprar uns botins novos. O que vale é que a Spartoo está com mega descontos, então, toca a aproveitar..."

"Fui passar um fim-de-semana a um hotel lindo, com piscina, jantar feito por um chef impecável, a sério, vocês precisam conhecer o hotel das Caldas da Rainha! Uma maravilha!"

"Com o Outono à porta, está na hora de começarmos a comprar camisolas quentinhas... sabiam que esta semana a Romwe está com 20% de desconto em todas as camisolas de malha?"

"E estas calças da OASAP, senhores? Um escândalo! Mal as vi, soube logo que tinha que comprá-las. Para quem gostou, podem encomendar através deste link..."

Socorro! Não acho normal tanta publicidade assim, à cara podre. E depois ainda há aquelas que, muito subtilmente, metem no final do post um asteriscozinho a dizer "publicidade" ou "post patrocinado" praí numa fonte tamanho 4, que é mesmo para ninguém ver. Não acho normal e é o tipo de atitude que critico há anos.

Eu não sei se com vocês é assim mas comigo acontece exactamente o oposto: ganho um pavor e um nojinho enorme da marca e evito tudo o que seja relacionado. Basta dizerem qualquer opinião positiva acerca dessas marcas para eu não pôr lá os pés ou comprar seja o que for. Portanto, se há alguém do departamento de marketing dessas empresas a ler este post, ficam já a saber que se dá o efeito contrário. [e não é isso que vocês querem, pois não?]

A verdade é que nem toda a publicidade é boa, principalmente no caso dos blogs. Estas marcas que citei acima estão a apostar em demasiados blogs ao mesmo tempo e às tantas leio vários posts sobre o mesmíssimo produto, em blogs diferentes, às vezes no mesmo dia. E dá-me uma raivinha que não imaginam. Perdi tempo da minha vida a ler um post, julgando que ele refletia mesmo a opinião da blogger, que o produto/serviço era bom e afinal era tudo publicidade. E, pior, encapotada [que é o pão nosso de cada dia].

Eu não sou contra uma pessoa querer viver do seu blog, da sua criatividade e daquilo que produz.O que me enerva é a falta de honestidade das pessoas. É a falta de transparência [porque não deixar logo claro que é um post patrocinado?], são as histórias mirabolantes que criam para justificar a compra daquele produto [quando na verdade foi a marca que ofereceu]. Enfim, sou contra a falta de caráter. Coisinha que, infelizmente, infesta esta blogosfera

Via: A Garota De Ipanema

terça-feira, 17 de maio de 2016

Mudar*


Há alturas na vida em que precisamos de mudar de (l)atitude. Ter essa coragem. Precisamos sair um bocadinho da nossa zona de conforto e aceitar que o princípio também pode ter fim. Abrir os braços aos recomeços, agradecer por tudo o que temos e desejar que a vida (tão sábia e previdente) nos conduza sempre pelo melhor caminho. É preciso ter humildade para admitir que não estamos sempre certos e que pedir desculpa por erros e falhas é sinal de maturidade e não de fraqueza. E depois deste exercício urge virar a página e seguir em frente.
É que uma mudança, naturalmente imposta por outras mudanças, é um momento de renovação. E para a viver em pleno e aproveitar tudo o que tem para nos dar é preciso parar de olhar para trás, projectar o olhar no horizonte e confiar no que está por vir. Com fé, muita fé. Fé em nós, nos outros e em tudo o que de bom merecemos receber.

Via : às nove no meu blogue

domingo, 18 de janeiro de 2015


Às vezes são absolutamente necessárias as pausas na velocidade dos dias para voltar a eles com mais afinco. Saber o que se quer fazer da vida é um bom ponto de partida. Saber o que e quem não se quer na nossa vida, define o resto. Delinear um plano e não baixar os braços até o concretizar define quem somos, com que fibra encaramos a vida e com quem atitude damos a volta aos dias menos bons. Simplificar, organizar, relativizar, acreditar que as coisas acontecem por uma razão certa, ainda que não a consigamos encontrar (dentro de nós) no momento exacto em que nos muda a vida e os planos, e não perder muito tempo a ignorar certezas, são tudo pequenas coisas que nos ajudam (deviam obrigar) a aproveitar, a saborear e a valorizar o agora e o tanto que a vida nos dá. É que mesmo apesar dos dias assim-assim, o mundo continua a girar no sentido certo. Por isso, o melhor é respirar fundo, encher o peito de ar e dizer em voz alta: siga a vida.
 * repetir para não esquecer

Via: Às nove no meu blogue

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

As pessoas têm uma mania horrorosa de meter o bedelho na vida das outras.


Deixa o outro, vai. É Vive a tua vida e deixa o outro ser feliz – ou não – do jeito torto – ou não – dele. Tenta, nem dói. Aquela vida perfeitinha e bonitinha existe só naquela rede social que você conhece. Lá, tem sempre uma festa agitada, uma foto cheia de efeitos, um sorriso constante, um prato maravilhoso. Lá, você tem zilhões de amigos. Lá, você vive tudo que quer viver. E não tem a menor intimidade com ninguém.

Clarissa Corrêa

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Vale a pena pensar nisto...



Tu queres, mas tens medo. Por um lado queres, por outro, tens medo. Tens medo do risco, tens medo do mergulho rumo ao desconhecido. O que deves fazer, então? Primeiro que tudo: Perceber porque é que queres. Porque é que tens necessidade de que este desejo se concretize. É porque queres ser aceite? É para te sentires mais seguro? É para seres mais feliz? Para fazeres desaparecer essa insatisfação? 
Pensa: não há nada que venha de fora que te possa trazer felicidade plena.O segredo é: sempre que desejares fazer algo porque te sentes mal, arranja maneira de te sentires bem. Arranja forma de ficares melhor. Medita, faz terapia, vem cá acima, chora, faz qualquer coisa para internamente te sentires bem. Depois… depois que tiveres melhorado, que te sentires equilibrado e feliz,pensa: «Ainda quero avançar com esta questão?» Nessa altura já escolheste. Se a resposta for negativa é porque o que tu querias era uma acção de fora para melhorar internamente. É claro que não ia resultar, pois estavas a fugir,não irias ao fundo da questão. 
Ao obrigares-te a ficar bem com meditação, interiorização, o que quer que seja, estás a validar um dos mais altos preceitos do céu. Tudo se cura de dentro para fora, do interior para o exterior, e não o contrário. Se a resposta for «não», livraste-te de uma acção estéril, que não iria servir-te para nada,
a não ser para fazer-te perder tempo. 
Mas se a resposta for «sim», se, apesar de já estares bem, ainda desejas avançar, aí o caso muda de figura. Trata-se de uma intuição. Trata-se de uma comunicação com o céu. Trata-se de algo que confere com a tua energia original. Podes avançar, pois por mais difícil que seja essa jornada,
ela nunca te afastará do teu caminho original, pelo contrário, irá participar no enriquecimento da tua vida interior.

Daqui

sábado, 18 de agosto de 2012

Vale a pena pensar nisto ...


Uma pessoa é grande quando perdoa, quando compreende, quando se coloca no lugar do outro, quando age não de acordo com o que esperam dela, mas de acordo com o que espera de si mesma.
— Martha Medeiros.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Vale a pena pensar nisto...

Liberdade e Democracia
Se eu gosto de poder votar? Gosto muito!
Se eu gosto de poder escolher a minha profissão? Gosto muito!
Se eu gosto de poder sair do país sem ter de pedir consentimento ao marido? Gosto muito!
Se eu gosto de andar na rua sozinha seja a que horas for? Gosto muito!
O que eu não gosto é das pessoas hoje em dia virem apregoar a liberdade de expressão e a democracia e depois não suportarem uma opinião diferente e virem com insultos e indignações. Porque afinal a liberdade é de todos e a minha acaba onde começa a vossa. Da mesma forma que a vossa acaba onde começa a minha!
E critiquem-me por defender Salazar! Critiquem à vontade! Mas antes, façam-me um favor e vão ler um bocadinho sobre ele e não se baseiem apenas naquilo que ouvem. Por acaso sabiam que foi por causa do Salazar que o nosso país não se esmerdou na 2ª Grande Guerra? Por acaso sabiam que foi o Salazar que nos tirou da crise depois do estado em que os Republicanos deixaram o nosso país com a queda da Monarquia? Sabem porque é que o Salazar fechou as nossas fronteiras? Para dar oportunidade aos nossos agricultores, aos nossos pescadores, aos nossos industriais de terem trabalho e de venderem! Não é como agora que se compra tudo fora! Até as amêndoas do Algarve! Se ele exagerou? Claro que sim! Deveria ter parado numa determinada altura e fez mal em não o fazer. Se exagerou em algumas leis que publicou? Claro que sim! Há muita coisa que ele podia ter mudado logo na altura! Mas sabem que é que construiu as escolas todas e os hospitais deste país para que os iletrados todos pudessem ir à escola e para que as pessoas tivessem acesso à saúde? Pois é... Foi o ditador nazi e assassino.... Esse mesmo!
E há outra coisa que muita gente também não sabe ou não se lembra... O Salazar já nem sequer era vivo em 1974... Só um detalhe!
Se eu sou contra o 25 de Abril? Sou contra a forma como foi feito! Acham mesmo que a revolução foi pacífica? Acham mesmo que se tratou de uns militares a cantarolar pelas ruas com cravos espetados nas espingardas? Pois... Ninguém se lembra dos comunas que entraram pelas casas das pessoas dentro! Porque para os comunas, ter-se dinheiro era ser-se fascista, nazi e corrupto! As pessoas com dinheiro não podiam ser honestas e trabalhadoras... Ninguém se lembra das famílias inteiras que foram explusas das suas próprias casas e obrigadas a sair do país com uma mão à frente e outra atrás... Que ficaram sem as casas, sem as propriedades, sem os recheios, sem nada! Porque o comuna achava que quem tinha a mais tinha de dividir pelo povo! Sim! É uma bela forma de pensar... Os comunas de hoje em dia que se ponham a dividir o que têm pelo povo! Aposto que há por aí muita bibenda e muito mercedes nas mãos de comunas prontos para dividir com os camaradas... E metade dos comunas soubessem que o comunismo é ateu, deixavam de ser comunistas em três tempos!
Da mesma forma que eu respeito quem está a festejar o dia de hoje com cravos na lapela, têm de me respeitar a mim e a toda a gente seja qual for a opinião!
Porque não temos todos a mesma religião, nem cor política! Porque não gostamos todos de amarelo, nem de favas, nem de praia! E se tanto gostam da liberdade em todas as suas formas, não elevem as coisas à anarquia! Respeitem a diferença, da mesma forma que ela vos respeita a vocês!
                                        BOM FERIADO !!!