quarta-feira, 19 de novembro de 2014


Quem sou eu para julgar a dor do outro? Ninguém. Não estou aqui para fazer julgamentos ou apontar um dedo no meio do seu nariz. O mundo já está cheio dessas pessoas - e eu também. Só quero que você pare um pouco para pensar: será que as coisas não estão sendo maximizadas? Precisa tanto? Esse assunto realmente tem importância? Esse problema realmente é tão cabeludo? 

Clarissa Corrêa

Sem comentários:

Enviar um comentário